ALAGOINHAS

ALAGOINHAS

Hospital Dantas Bião apresenta trabalho no XVI Congresso Brasileiro de Transplantes

quarta-feira, 23 de outubro de 2019

/ by REDAÇÃO


A doação de órgãos pode salvar vidas. No Brasil, 95% dos transplantes são realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS), maior sistema público de transplantes do mundo, tornando o país uma referência na área.
Em 2017, o Hospital Regional Dantas Bião ficou em 6 º lugar em notificações de óbitos por coração parado, e em 2018 ficou em 3º lugar, sendo que também em 2017 ficou em 13º lugar em doações efetivas de córneas. Devido ao aumento do número de doações no ano de 2018, o HRDB ficou em 6 º lugar. Esse aumento se deu devido a implantação da notificação de Óbito imediata.
Para apresentar a experiência exitosa desenvolvida pela equipe do Hospital Regional Dantas Bião, unidade 100 % SUS, a enfermeira Monique Carmo e a técnica de enfermagem Telma Santos participaram do XVI Congresso Brasileiro de Transplantes 2019,de 16 a 19 de outubro, em Campinas, São Paulo. Na ocasião, Monique Carmo apresentou o trabalho desenvolvido no HRDB.
Monique Carmo esclarece que foi apresentado no congresso um trabalho científico intitulado: ‘A importância da notificação de Óbito imediata como influenciadora do número de doações efetivas de córneas: Um relato de Experiência”. Foi apresentada a experiência enquanto comissão intra-hospitalar no HRDB e o aumento do número de doações efetivas de córneas dentro de um ano.
Participar desse congresso foi de muita relevância para a equipe, pois além de apresentar um trabalho científico, teve a oportunidade de mostrar para o Brasil o trabalho que a equipe do Hospital Regional Dantas Bião realiza com muito empenho e dedicação. Foi possível também aprimorar conhecimentos, para cada dia poder realizar um trabalho de melhor qualidade e poder participar de troca de experiências com equipes de todo o Brasil. O trabalho científico foi parabenizado pela equipe avaliadora da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO).
O Hospital Regional Dantas Bião, depois da implantação da notificação de Óbito imediata teve um aumento no número de doações, ficando à frente de hospitais de grande porte, conforme dados estatísticos da Central Estadual de Transplantes.
Os integrantes da CIHDOTT que realizaram o trabalho foram Monique Silva do Carmo, Anderson Luís Vieira Franco, Jéssica Pereira Santos e Priscila Francisca Salomão. De acordo com Monique Carmo, enfermeira e integrante do CIHDOTT do HRDB, um único doador pode salvar até oito vidas.
“Quando é constatada a morte encefálica, a pessoa pode ser doadora tanto de órgãos quanto de tecidos. Há alguns critérios para saber até que idade qual órgão pode ser doado. Uma pessoa com saúde, que evoluiu para um contexto de morte encefálica e a família aceitou a doação, pode chegar a ser doadora de coração, pulmões, fígado, rins, córneas, ossos, pele. Até dez vidas podem ser beneficiadas com esse ato”, disse Monique.
Além da doação após diagnóstico de morte encefálica, é possível realizar doação de rim e de parte do fígado entre vivos. “A doação em vida é feita quando há alguém da família com condições de saúde bem mantidas. Após essa constatação é feita uma bateria de exames a fim de verificar a compatibilidade com o familiar que necessita do órgão. Sendo compatível, ele vai ser acompanhado por uma equipe multiprofissional que vai preparar
tanto quem vai receber quanto quem vai doar o órgão”, explicou Telma Santos, técnica de enfermagem do Hospital Regional Dantas Bião.

Nenhum comentário

Postar um comentário

Don't Miss
© Todos os direitos reservados
Desenvolvimento by Agência Alves Comunicação Digital...